Governo nomeia 1.240 novos policiais civis

Mas sindicato da categoria critica a medida e diz que corporação tem déficit de 13 mil

153

 

 

 

policiais-novos

 

 

 

 

O governo paulista resolveu reforçar os quadros da Polícia Civil. O governador Geraldo Alckmin nomeou, nesta semana, 1.240 novos policiais civis para reforçar o efetivo da instituição. Além disso, anunciou a abertura de concursos públicos com 2.750 vagas para diversas carreiras da Polícia Civil.

“São Paulo hoje é o único estado do Brasil com índice de homicídio abaixo de 10 por cem mil habitantes, como recomenda a ONU. Isso é resultado do trabalho integrado das polícias, incluindo a judiciária, que agora ganha novo impulso com a nomeação de mais 1.240 novos policiais. Zeramos o concurso e já vamos abrir outro”, disse o governador.

Além das nomeações e autorizações para abertura dos processos seletivos, foram anunciadas outras medidas para a Polícia Civil, entre elas, a promoção de 63 delegados, a abertura de licitação para a compra de 80 novas viaturas, a modernização de 120 delegacias e restauro da Garagem Alfredo Issa.

Do total de nomeados, 64 são delegados, 907 investigadores e 269 escrivães. Os futuros policiais civis são os últimos aprovados nos concursos abertos em 2013. Os processos selecionariam policiais para 2.301 vagas, entretanto, foram chamados 3.937 candidatos, ou seja, um total aproximadamente 71% maior que o previsto inicialmente.

Após a nomeação, os policiais civis serão empossados e ingressarão nos cursos de formação da Academia de Polícia Civil Doutor Coriolano Nogueira Cobra (Acadepol), que duram cerca de três meses. Depois de formados, serão distribuídos ao Estado.