Franca tem o etanol mais caro do Estado

Levantamento aponta ainda que a cidade fica em segundo lugar com relação à gasolina

246

 

 

 

preco

 

 

 

 

Que o preço do combustível em Franca é bastante alto, niguém duvida. Agora, porém, levantamentos vão comprovando isso de forma oficial e deixando claro que o francano paga mesmo bastante na hora de abastecer o veículo nos postos do município.

Isso se agravou ainda mais nas últimas semanas, em razão da mudança na forma como a Petrobras realiza ajustes no preço da gasolina e do diesel vendidos nas refinarias para os distribuidores. Essa alteração tornou os reajustes de preços dos combustíveis veiculares mais frequentes. Somente em setembro deste ano, os preços praticados pela empresa sofreram dezenove reajustes, como mostra levantamento do Ceper/Fundace.

Conforme dados do Boletim Sucroalcooleiro de outubro de 2017, no início do ano, a Petrobras reduziu o preço da gasolina e do diesel, o que levou à queda dos preços praticados pelos postos de gasolina, permitindo, ainda, o aumento nas margens de revenda no período.

No entanto, o segundo semestre do ano teve início com aumento dos preços. O preço do petróleo no mercado mundial aumentou 5,7% no mês de setembro em relação a agosto, quando o preço médio foi US$50,09. Apesar deste aumento, o preço mundial ainda se mantém aquém daquele exibido em janeiro e em níveis inferiores aos registrados ao longo de 2013 e 2014, quanto oscilava ao redor de US$ 110,00.

O preço dos três principais combustíveis comercializados no Brasil vem apresentando aumento nos últimos meses. Julho foi o período em que o etanol hidratado e o óleo diesel registraram os valores mais baixos do ano, enquanto a gasolina atingiu o seu valor mais baixo do ano em junho de 2017.

“Nota-se queda do preço dos combustíveis ao longo do primeiro semestre, mas a recuperação dos preços da gasolina e do óleo diesel já é aparente, com preços superiores ao verificados no início de 2017. O preço da gasolina acabou puxando para cima o preço do etanol”, avalia Luciano Nakabashi, pesquisador do Ceper e coordenador do levantamento.