Morre idosa que foi atropelada por moto

Acidente aconteceu no dia 10 no bairro Santa Rita. Aposentada estava a caminho da igreja

141

atropelamento

 

 

 

 

 

Morreu na tarde de ontem na Santa Casa de Franca a idosa de 85 anos que foi atropelada no bairro Santa Rita no último dia 10. Nair Souza Zambeli foi atingida por uma moto no momento em que se encaminhava para uma igreja.

No dia do acidente, a idosa que sofreu ferimentos graves e traumatismo craniano foi socorrida a Santa Casa, onde ficou internada até a tarde de ontem. Durante o período de internação, o hospital informou que o estado de saúde da paciente apresentou uma piora e ela passou a respirar com ajuda de aparelhos.

Segundo a polícia, Nair Zambelli estava na companhia de uma vizinha, que passou mal ao ver o acidente. As duas estavam a caminho de uma igreja. A Polícia Civiol deverá abrir inquérito para apurar o acidente.

Atropelada na faixa

Na tarde de ontem, outro atropelamento deixou uma idosa ferida. A mulher de 74 anos atravessava o cruzamento da Avenida Brasil com a Rua Pará, quando foi atingida por uma caminhonete.

A aposentada estava na faixa de pedestres quando sofreu o acidente. A vítima sofreu queda e bateu violentamente com a cabeça no chão, tendo que ser socorrido por uma unidade de resgate. Até o fechamento da edição, o estado de saúde da idosa não havia sido informado.

Idosos são as maiores vítimas de atropelamento no Estado

Os novos números divulgados pelo Movimento Paulista de Segurança no Trânsito, programa do Governo de São Paulo que visa reduzir à metade o número de óbitos no Estado até 2020, mostram que os idosos são as principais vítimas de atropelamentos. Um terço dos casos registrados em 2017 envolve pessoas com mais de 60 anos de idade. Dados do Infosiga SP também apontam aumento de 5,5% dos óbitos no trânsito no Estado. No ano, a redução é de 2,3%, equivalente a 95 fatalidades a menos.

“Entre os diversos grupos que são alvos de ações de educação e fiscalização, os idosos recebem especial atenção”, explica Silvia Lisboa, coordenadora do Movimento Paulista. “Entendemos que a mobilidade dessas pessoas é diferente das demais e recomendamos aos municípios a adaptação necessária para atendê-los. O aumento do tempo semafórico e campanhas de conscientização específicas são algumas das soluções”, exemplifica.

Na comparação com 2016, as fatalidades no trânsito envolvendo idosos apresentam queda de 9,1%, passando de 801 para 728 casos (73 óbitos a menos). No entanto, os dados do Infosiga SP revelam situações específicas em que esse grupo está mais sujeito a acidentes. Os idosos correspondem a 14% da população do Estado e 17,2% das vítimas de acidentes.