Jovem denuncia preconceito em praça

Junto com outro rapaz, ele diz ter sido agredido por pessoas ligadas a suposto grupo nazista

542

 

 

praca

 

 

 

 

 

Um jovem de 24 anos, que é conselheiro do Condecom (Conselho Municipal de Participação e Desenvolvimento da Comunidade Negra) e produtor artístico, denunciou que foi agredido verbalmente junto de outro rapaz que sofreu agressão física, por dois rapazes que participariam de um suposto grupo nazista em Franca.

De acordo com o produtor de eventos, a agressão aconteceu na Praça Carlos Pacheco, em frente à Casa da Cultura e do Artista Francano. Por volta das 19h30 de sábado, conta, chegaram dois rapazes. Ele teria sido agredido verbalmente, sendo um amigo seu ainda atingido com um golpe de capacete.

Um vídeo foi gravado pelo produtor de eventos, mostrando que um dos jovens agredidos estava sentado no banco da praça, enquanto um dos agressores deu uma capacetada na cabeça do jovem.

O boletim de ocorrência foi feito na quinta-feira, 19, junto com o advogado David Maciel Silva, que também é coordenador da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero da OAB de Franca. O advogado argumenta que os rapazes foram vítimas de injúria racial e homofobia conforme determinada a lei estadual 10.948/2001 do Estado de São Paulo. Isso sem contar a lesão corporal.

“Apresentada a representação, e apresentada a notícia criminal, cabe ao delegado de polícia, instaurar ou não inquérito. Eu como coordenador da Comissão de Diversidade Sexual e Gênero da OAB/Franca, bem como também os vários colaboradores da comissão, com o apoio do Presidente Dr. Marlon Cleber, acompanharemos o caso, e estaremos à disposição das vítimas para orientar naquilo for necessário para a apuração dos fatos e o cumprimento da lei”, declarou Maciel.

Segundo a vítima narrou, os agressores usam um fórum para pessoas denominadas neonazistas, onde se organizam para realizar ações de ódio. “Eles também se organizam em ações de ódio e divulgam perfis de ativistas de movimentos sociais, agressões que cometem e principalmente trocam informações para se defenderem”, comenta o produto de eventos.