Acusados de matar Núbia se encontram na delegacia

Garota confirmou que estava no porta malas, mas negou participação no crime

247

depoimento

 

 

 

 

 

 

Pela primeira vez depois da morte da jovem Nubia ribeiro no mês passado, os três envolvidos no crime estiveram frente a frente. A acareação aconteceu na manhã de ontem na sede da Delegacia de Investigações Gerais (DIG).

O casal de 20 anos e o amigo deles de 32 anos prestaram novos depoimentos ao delegado Marcio Murari e pela primeira vez, a garota confirmou que estava na cena do crime, mas negou qualquer participação.

A acareação entre os envolvidos no crime bárbaro contra Nubia foi necessária para confrontar as versões apresentadas até agora e definir a participação de cada um deles na morte da jovem.

O trio chegou a delegacia em viaturas separadas. O casal saiu da cadeia do Jardim Guanabara, onde cumprem prisão de 30 dias e o amigo deles, preso por tráfico de drogas, deixou a penitenciaria e foi levado a DIG.

Reunidos em uma mesma sala, os três ficaram frente a frente e relataram mais dados sobre o crime.

As versões

O rapaz de 32 anos se apresentou sem o acompanhamento de um advogado e relatou que a decisão foi tomada por ele, pois sua versão é a verdadeira e ele teria somente levado o carro de Nubia para ser abandonado. O rapaz voltou a afirmar que não sabia do crime e que foi chamado pelo jovem de 20 anos para sumir com o carro e receberia R$ 300 pelo serviço.

Já o jovem de 20 anos que teria mantido um relacionamento amoroso com Nubia e teria sido o pivô da morte da garota, se mostrou nervoso e sem reação. Principalmente na presença da namorada.

O rapaz iniciou um depoimento e logo em seguida não fiz mais falar. Acompanhado de um advogado, ele somente afirmou que o amigo estava no local do crime, mas em seguida abaixou a cabeça e não mais falou. Segundo o delegado Marcio Murari, a atitude dele foi semelhante ao primeiro depoimento na delegacia, na data em que o casal se apresentou e foram presos.

“Ele mais uma vez se acovardou na frente da namorada”, disse Marcio Murari. O rapaz mostrou clara a intenção de defender a namorada, que esta sendo apontada como a mentora do crime.

Jovem estava no porta malas

Desde o dia do crime contra Nubia, houve rumores de que a jovem de 20 anos estivesse escondida no porta malas do carro no momento do encontro agendado entre o namorado dela e Nubia.

Na versão dela, apresentada ontem, ela ficou realmente no porta malas, no momento em que o namorado convencia Núbia a entrar no carro. Em seguida, o rapaz saiu com o veículo e disse a Nubia que iria buscar um amigo para beberem juntos.

Já no carro, todos os envolvido no crime, o rapaz segui para o Distrito Industrial quando na Rodovia Fábio Talarico, a garota saiu do porta malas, surpreendendo Nubia.

Na versão apresentada, Nubia teria tentado segurar o volante do carro, para provavelmente provocar um acidente, mas o rapaz evitou e estacionou o carro no acostamento.

Neste momento, segundo a garota, houve discussão entre ela e Nubia e a jovem (vítima) teria sacado de uma faca e tentado acerta-la. O amigo do casal, de 32 anos teria partido pra cima de Nubia e desferido dois golpes de faca contra ela.

Na sequência do depoimento, a garota afirma que Nubia ficou caída no acostamento e o trio voltou para Franca, onde foi decidido que o amigo voltaria ao local do crime para retirar o corpo.

Na versão da jovem, o amigo teria comentado que levou o corpo até uma estrada de terra, entre Franca e Patrocínio Paulista e jogado fogo no mato.

As versões apresentadas pelos envolvidos no crime, mais uma vez confirmar a participações dos três na cena na morte de Nubia. Um fato que não foi esclarecido é em relação a pancada na cabeça da vítima, que resultou em sua morte.

A pericia entregou na semana passada um laudo onde confirma que Nubia foi morta com um golpe, provavelmente causado por uma chave de roda, ferramenta que não foi encontrada no carro do rapaz e nem no local do crime.

Próximos passos

As investigações do caso continuam e a Polícia Civil deverá realizar a reconstituição do crime. Após a acareação, os três voltaram para as unidades prisionais. A prisão do casal vence nos próximos dias e os advogados de defesa deverão entrar com pedidos de liberdade aos acusados de matar Nubia. O delegado Marcio Murari informou que deverá ouvir os depoimentos de mais duas testemunhas e juntar os laudos que faltam. No encerramento do inquérito será pedida a prisão preventiva dos três envolvidos, assim eles deverão ficar na cadeia até o julgamento.