Tecnologia nas eleições

293

 

A biometria aos poucos vai sendo implantada no país e na região de Franca alguns municípios já começam a experimentar a novidade. No país todo, até 2020 todos os eleitores deverão estar cadastrados no sistema biométrico – que confere eletronicamente as impressões digitais – da Justiça Eleitoral. A informação é do presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), ministro Gilmar Mendes, que garante que para as próximas eleições, pelo menos 80 milhões de cidadãos já estarão aptos a votar com o novo título eleitoral.

A biometria é uma tecnologia considerada segura e já vem sendo utilizada por praticamente todos os bancos, empresas de cartões de crédito, telefonia e pelo INSS, sendo, portanto, bastante conhecida pela população, inclusive pessoas mais idosas que recebem seus benefícios nos caixas eletrônicos usando apenas suas impressões digitais. O cadastramento biométrico começou há algum tempo em algumas regiões do país. No Estado de São Paulo, um dos pioneiros, vários milhões de eleitores já renovaram o título que usa a nova tecnologia.

De acordo com a Justiça Eleitoral, a utilização da biometria é um fator de segurança que poderá evitar fraudes. Entre as eleições de 2014 e 2016, por exemplo, foram identificadas mais de 15 mil fraudes por meio do cruzamento de informações biométricas. São eleitores que foram a diferentes cartórios, se passaram por outras pessoas e conseguiram emitir mais de um título, o que é ilegal. A identificação dos fraudadores foi possível graças às impressões digitais. O

 Estado com maior número de fraudes identificadas por meio do registro biométrico foi Alagoas, com mais de 2 mil títulos de eleitor considerados irregulares, segundo levantamento do TSE. No Estado de São Paulo, o TRE iniciou no mês de maio uma campanha publicitária de grande alcance para incentivar o rápido cadastramento digital dos eleitores. Estado com mais de 33 milhões de eleitores, São Paulo ainda está longe de concluir a emissão dos novos títulos a todos os seus eleitores.

Dias atrás, uma informação mal interpretada sobre a obrigatoriedade da obtenção do novo título de eleitor com biometria, causou apreensão principalmente entre as pessoas mais idosas, e que não são mais obrigadas a votar. De acordo com a informação inicial, se os idosos com mais de 70 anos não fizessem o cadastramento biométrico o título eleitoral seria cancelado e o CPF bloqueado, impedindo assim o recebimento de aposentadorias e benefícios. Felizmente a informação truncada foi esclarecida e pessoas com mais de 70 anos não são mais obrigadas a votar e não terão suas inscrições no Cadastro de Pessoa Física (CPF) da Receita Federal canceladas caso não façam o cadastro biométrico.

É importante lembrar, porém, que a adoção do cadastro biométrico pela Justiça Eleitoral é sem dúvida um avanço em termos de segurança, pois será uma arma importante contra fraudes, ao mesmo tempo em que utiliza uma tecnologia já presente em várias operações que fazem parte do cotidiano da população.