DEUS NO GOVERNO E NO POVO

105

 

 

Pr. Isaac Vicente Ribeiro

 

“Tinha Josias oito anos de idade quando começou a reinar e reinou trinta e um anos em Jerusalém. E fez o que era reto aos olhos do Senhor”. (II Reis 22.1,2)

 

Por ter Deus escolhido à nação de Israel, para manifestar o seu grande projeto de salvação a humanidade, vira e mexe, precisamos lançar mão de fatos históricos que envolveram os descendentes de Abraão, para instruir a atual geração. Partindo do princípio bíblico que toda escritura é divinamente inspirada, (II Timóteo 3.16), podemos concluir que nada do que foi escrito na Bíblia, foi escrito por acaso. Porque Deus haveria de registrar os erros e acertos, as virtudes e os defeitos de seus personagens? Qual o propósito de Deus em revelar as mazelas daqueles que Ele elegeu para ser seu povo? A resposta é simples; para que todos aqueles que se dizem cristãos, não cometa os mesmos erros que eles cometeram. A este respeito, corrobora o apóstolo São Paulo: “Ora, tudo isso lhes sobreveio como figuras, e estão escritas para aviso nosso, para quem já são chegados os fins dos séculos”. (I Coríntios 10.11).

 

Bem, no versículo acima, destacamos o início do reinado de um jovem herdeiro do trono de Judá. Josias era o seu nome. Ele tinha apenas oito anos de idade quando começou a reinar. Isto porque o regime de governo era monárquico, e ele era o sucessor direto de seu pai Amon. Assim, após a morte de seu pai, sob tutela de conselheiros, assume a coroa do reinado de Judá. Deve-se dizer que naquela época, o rei não só influenciava a vida política do povo, como também, influenciava a vida religiosa da nação. Ou seja, se o rei fosse bom e temente a Deus, o povo prosperava se fosse perverso, o povo sofria. Desta forma, quando Josias assumiu o governo de Judá, o povo estava totalmente distante de Deus.  Seu pai havia sido um péssimo exemplo. As coisas estavam fora de ordem, o templo abandonado, o sacerdócio havia se corrompido, e nação estava totalmente mergulhada no pecado. Todavia, Josias, ao invés de seguir o exemplo de seu pai, procurou desde cedo  andar pelo caminho da verdade. Diz o texto: “E fez o que era reto aos olhos do Senhor; e andou em todo o caminho de Davi, seu pai, e não se apartou dele nem para a direita nem para a esquerda”. Veja que Josias contrariou a regra. Ou seja, diz o adágio popular: “ta o pai ta o filho”. Porém aqui, não aconteceu assim. Ao invés de proceder como seu pai, procurou se espelhar em um bom rei, (Davi). Foi tendo um bom referencial que, ao completar dezesseis anos, e já responder por si mesmo, teve a iniciativa de reformar o templo, que estava entregue as traças. Ele sabia que sem Deus à frente do seu governo, seria mais um  para entrar na lista dos maus reis de Judá.

 

Ao iniciar a reforma do templo, algo interessante aconteceu. Acharam perdido dentro do templo, o livro do Senhor. Ou seja, estavam tão distantes de Deus, que o Pentateuco, (cinco livros escritos por Moisés), o principal livro de orientação da nação, havia sido colocado de lado. Diz o texto: “Sucedeu, pois, que, ouvindo o rei as palavras do livro da lei, rasgou as suas vestes. E o rei mandou a Hilquias, o sacerdote, e a Asaías, o servo do rei, dizendo: Ide e consultai ao Senhor por mim, e pelo povo, e por todo  Judá, acerca das palavras deste livro que se achou; porque grande é o furor do Senhor que se acendeu contra nós, porquanto nossos pais não deram ouvidos às palavras deste livro, para fazerem conforme tudo quanto de nós está escrito”. (II Reis. 22.11-13).  Foi com um coração voltado para Deus, que este rei vez história em Judá, sendo considerado um dos melhores monarcas da história dos hebreus.

Caro leitor, penso como seria diferente se a semelhança daqueles, todos nós oferecêssemos um pouco mais de atenção à palavra de Deus. Como seria diferente, se todos nós tivéssemos o desejo de pautar nossas vidas, dentro da vontade de Deus. Presidente, governadores, prefeitos, senadores, deputados, vereadores, juizes, promotores, pastores padres e todos os leigos. Todos nós deixássemos de pensar menos e nós mesmos, e pouco mais em Deus. Porque estamos cercados de todo tipo de corrupção? Corrupção, no executivo, no legislativo, no judiciário, nas propriedades privadas e até mesmo em seguimentos religiosos? A grande verdade, é que Deus não tem sido prioridade na vida das pessoas. E quando colocamos Deus em segundo plano, passamos a pensar só em nós, e em como tirar proveito em benefício próprio. Esta é a triste realidade atual. Concluindo, sinceramente sinto-me feliz em ver que o Brasil está sendo passado a limpo, mas tão importante quanto punir pessoas avarentas que só pensam em si mesmas, é cada um de nós lutamos para que Deus seja prioridade em nossas vidas. Do contrário, nada muda. Vão uns, e voltam outros e as coisas continuam do mesmo jeito.

 

Deus ajude o Brasil.