Contra terrorismo, Brasil defende integração

No G20, Temer falou da necessidade de maior troca de informação entre as agências de inteligência

241

 

 

 

 

Palocci
O presidente da República, Michel Temer, defendeu uma maior integração e cooperação entre as agências de inteligência dos países do G20 como forma de combate ao terrorismo. Na visão de Temer, a troca de informações é determinante para encontrar uma solução para o tema.
Em entrevista à imprensa na noite dea sexta-feira (7) na Alemanha, Temer relatou como foram os encontros com os líderes dos outros países do bloco e detalhou as ponderações que fez na sessão plenária sobre terrorismo.
“Eu falei da tentativa de fazer com que as agências centrais de inteligência pudessem se concentrar para trocar informações no combate ao terrorismo”, relatou. “O terrorismo é coletivo, organizado, mas há uma espécie de terrorismo, hoje, que é individual e que deve preocupar a todos”, argumentou.
Temer explicou ainda que, além do debate sobre terrorismo, participou de um encontro com os líderes do Brics – grupo formado por Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul. Na reunião, foram debatidos temas referentes ao banco de desenvolvimento do grupo.

Meio ambiente e negócios

Além desse evento, ele participou de plenárias sobre meio ambiente e negócios no G20. Na sessão econômica, o presidente relatou aos demais líderes sobre a recuperação econômica brasileira e citou a queda da inflação, a volta do emprego e venda de veículos como elementos dessa retomada.
Trump elogiou economia

Em duas publicações feitas na manhã deste sábado (8) em sua conta oficial no Twitter, o presidente Michel Temer escreveu sobre o encontro que teve com o presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, na cúpula do G20, encontro que reúne líderes mundiais em Hamburgo, na Alemanha.
O tuíte do presidente diz que Trump “elogiou o desempenho da economia brasileira”, que, para o presidente norte-americano, “está indo muito bem”, segundo a publicação de Temer.
Em uma segunda publicação no Twitter, Temer disse ter sugerido a Trump a aproximação entre empresários de ambos os países. “Ele gostou da ideia”, escreveu o brasileiro.
Michel Temer participou na manhã deste sábado da terceira sessão de trabalhos no G20, que teve como tema a migração mundial. Após a reunião, ele embarcou no avião presidencial para voltar ao Brasil.
“Tranquilíssimo”

O presidente da República, Michel Temer, afirmou neste sábado (8) que volta ao Brasil “tranquilíssimo” depois de participar de reunião da cúpula do G20, grupo que reúne as 20 principais economias do mundo, em Hamburgo, na Alemanha.
Temer decidiu voltar ao Brasil antes do encerramento oficial do evento. Ele embarcou para Brasília na manhã deste sábado.
A declaração do peemedebista acontece em meio ao pior momento de Temer na Presidência da República. Na próxima segunda-feira (10), o deputado Sérgio Zveiter (PMDB-RJ) deve apresentar à Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) da Câmara seu relatório sobre denúncia contra o presidente.
Na semana passada, o procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou o presidente ao Supremo Tribunal Federal (STF). Janot acusa o presidente de ter praticado corrupção passiva com base nas delações dos donos e executivos da holding J&F, controladora do grupo JBS.
Caberá ao plenário da Câmara decidir se a peça do Ministério Público seguirá ou não para o Supremo (para isso, precisa do apoio mínimo de 342 parlamentares).
Se chegar ao STF e os ministros da Corte aceitarem a denúncia, Temer, então, vai virar réu e será afastado do mandato por até 180 dias. Nessa hipótese, o presidente da Câmara, Rodrigo Maia (DEM-RJ), assume interinamente por ser o primeiro na linha sucessória.