Brasil assume presidência temporária do Mercosul

Temer participou de cúpula em que foram discutidas negociações para acordo do bloco com a União Europeia

274

Mercosul

 

 
O presidente Michel Temer participou ontem (21) da 50ª Reunião do Conselho do Mercado Comum e Cúpula do Mercosul e Estados Associados, em Mendoza, na Argentina. Entre os temas discutidos na reunião estiveram as negociações para um acordo do bloco com a União Europeia, além de assuntos políticos e econômicos e relacionados a direitos humanos. A situação da Venezuela também foi discutida durante a Cúpula.
O encontro marca a entrada do Brasil na presidência temporária do Mercosul pelos próximos seis meses. O país deve buscar o fortalecimento da integração regional e da agenda externa do bloco comercial com outros países e continentes.

Expectativas

Ao chegar a Mendoza, na noite de quinta (20), o presidente Temer falou sobre a expectativa para o período em que o Brasil estiver exercendo a presidência do Mercosul. “Espero continuar o trabalho que o presidente Macri [Mauricio Macri, presidente da Argentina] desenvolveu com tanta propriedade ao longo desse semestre”, afirmou em entrevista. Nos últimos seis meses, a Argentina esteve na presidência do Mercosul.
Ontem, pela manhã, os chefes de estados participaram da sessão plenária do Mercosul, seguida de um almoço de trabalho. Antes do almoço, Temer fez um pronunciamento que marcou o início da presidência do Brasil no bloco. O presidente embarcou de volta ao Brasil no meio da tarde.
Venezuela

O presidente Michel Temer afirmou nesta sexta-feira (21) em Mendoza, na Argentina, que os países que integram o Mercosul reconhecem uma “ruptura” democrática na Venezuela. O bloco sul-americano é composto por Brasil, Argentina, Venezuela, Paraguai e Uruguai.
Novo presidente rotativo do bloco econômico, Temer fez a declaração durante o encontro de cúpula com os chefes de Estado do Mercosul realizado nesta sexta na Argentina.
Apenas o presidente da Venezuela, Nicolas Maduro, não participou da reunião de cúpula em Mendoza. O país vizinho está suspenso temporariamente do Mercosul desde dezembro por ter descumprido normas de adesão ao bloco.
“Essa é a postura do Mercosul em seu conjunto. Nossos chanceleres reconheceram formalmente a ruptura da ordem democrática na Venezuela”, declarou Temer em meio ao discurso.
Em outro trecho da declaração, o presidente brasileiro ressaltou que os demais países do bloco acompanham com “grande preocupação” a crise política em território venezuelano.