Aumenta violência contra taxistas em Franca

Somente este ano, oito motoristas foram assaltados e muitos agredidos por ladrões, medo esta fazendo com que muitos profissionais deixem a profissão

138

 

 

 

taxiA profissão de taxista, que já foi muito respeitada nos anos de 1960 e 1970, se tornou uma das atividades mais perigosas a serem exercidas em Franca. Antigamente, acionar um taxi para se locomover na cidade chegou a ser considerado como luxo, devido ao preço das tarifas que eram caras.

Hoje, muitos motoristas que continuam na profissão já pensam em abandonar o serviço. Isso devido a insegurança que a categoria sofre. Somente neste ano, oito ocorrências de roubo a taxistas foram registradas pela polícia.

O caso mais recente foi a de um taxista de 73 anos, que acabou rendido por assaltantes no último final de semana. O idoso foi agredido, ameaçado e teve o carro roubado. O crime aconteceu no último sábado.

O taxista relatou que transportava passageiros até o Jardim Aeroporto na zona sul, quando no trajeto, um dos homens anunciou o assalto. O motorista foi obrigado a seguir pela Rodovia Ronan Rocha até a cidade de São Sebastião do Paraíso, em Minas Gerais.

Lá, os bandidos agrediram o taxista com socos e chutes e roubaram dinheiro e o carro dele. Ao conseguiu avisar os familiares que estava bem, o idoso foi levado a atendimento médico, pois apresentava ferimentos e hematomas no rosto. Os assaltantes não foram localizados.