Ignorância e terror

265

 

O terror atacou o Reino Unido pela terceira vez em menos de três meses. Em 22 de março, ocorreu o atentado na Ponte de Westminster, ao lado do Parlamento, em Londres, com cinco mortos. Exatos dois meses depois, um terrorista suicida matou 22 pessoas ao causar uma explosão na saída de um show da cantora Ariana Grande, em Manchester. Agora, três homens em uma van atropelarem dezenas de pessoas na Ponte de Londres, na capital britânica, e, depois de bater o veículo, entraram em bares e restaurantes do Borough Market, esfaqueando quem estivesse por perto antes de serem mortos pela polícia. O ataque do último dia 3 de junho matou pelo menos oito pessoas e ainda há dezenas de feridos, vários em estado grave.

Os três casos tiveram em comum o fato de os terroristas agirem movidos pelo radicalismo islâmico, seja como membros de grupos como o Estado Islâmico, seja como “lobos solitários” inspirados pelo discurso extremista. Um dos responsáveis pelo ataque na Ponte de Londres já havia até mesmo sido filmado com um grupo radical que pede a adoção da lei islâmica no Reino Unido.

Atos de terror como os que o Reino Unido vem presenciando provocam debates acalorados e o pedido por providências imediatas por parte dos governos nacionais. Os alvos mais óbvios são os imigrantes provenientes das recentes ondas de refugiados, mas não se pode ignorar o fato de que os terroristas de Londres e Manchester também incluem cidadãos britânicos, nascidos no país, ainda que descendentes de outros imigrantes. No fim, a questão migratória está inserida dentro de um contexto maior, que é o choque de culturas.

Mas o que fazer quando determinado grupo se recusa a essa assimilação? Este é o dilema que tem dividido a Europa desde a onda de terrorismo mais recente, iniciada com o ataque à redação do Charlie Hebdo, em Paris, no início de 2015, e simultânea à crise dos refugiados. O islamismo radical recusa qualquer diálogo com a sociedade ocidental e seus valores; sua plataforma não é a coexistência pacífica, mas a dominação ou a aniquilação, com tudo o que ela implica: a humilhação da mulher, a total intolerância religiosa e a violência contra minorias como os homossexuais.

A necessária e sadia abertura à riqueza da imigração e da diversidade cultural e religiosa não inclui a obrigação de aceitar ou tolerar extremismos que destruirão um país por dentro. Encontrar a melhor forma de reforçar o compromisso intransigente com as liberdades democráticas e com a tolerância – valores que são, sim, superiores àqueles que propõem sua supressão – é a chave se a Europa quiser sobreviver.