Francano guarda músicas inéditas de Belchior

Violonista Diego Figueiredo acompanhou o cantor durante seis anos, antes que ele se afastasse dos palcos

245

Diego

O violonista francano Diego Figueiredo diz guardar composições inéditas de Belchior, cantor que faleceu no último domingo, 30. Ele foi o último parceiro do cantor e esteve ao seu lado durante seis anos, inclusive, excursionando pelo país e fora dele. Diego conta que foi em sua chácara, em Franca, que Belchior fez o último álbum com composições próprias.

“Ele trabalhou em cima dos poemas de Carlos Drummond de Andrade e o resultado foi um álbum duplo muito bom”, falou Diego ao Diário. Segundo ele, para esse trabalho Belchior esteve várias vezes em Franca, o que somente aumentou o vínculo entre os dois artistas.

Juntos eles também fizeram mais de 500 shows por todo o país e em vários países, como a Alemanha. Os dois estiveram juntos entre os anos de 2001 e 2007, ocasião em que o violonista compôs obras com Belchior e ficou conhecendo outros trabalhos ainda inéditos do artista.

Na entrevista ao Diário, Diego fala sobre este e outros assuntos, como sua carreira artística e sua relação com a “Capital do Calçado”.

 

Diário da Franca – O Brasil sentiu a perda de Belchior, músico que esteve ao seu lado gravando um disco em Franca. Como era sua relação com ele e como sentiu sua perda?

Diego Figueiredo – Minha relação com Belchior era de pai e filho. Foram quase 7 anos de uma amizade muito grande e mais de 500 shows juntos pelo Brasil e exterior. Estou muito triste com tudo isso.

 

Diário – Você chegou a dizer que tem materiais inéditos do Belchior. Como teve acesso às músicas?

Diego – Belchior sempre me mostrava suas músicas inéditas nas horas vagas entre os shows, hotéis e viagens. Estávamos preparando um CD de inéditas.

 

Diário –  O que pretende fazer com o material agora?

Diego – Vou primeiramente verificar onde estão os manuscritos destas canções e consultar a família de Belchior.

 

Diário – Além do Belchior, você já dividiu o palco com muitos artistas de renome na música. Como estão suas parcerias musicais hoje?

Diego – Tenho feito parcerias no Brasil e exterior com grandes músicos. Gosto de somar o toque do meu violão com outro instrumento ou voz, e essas parcerias tem sido muito construtivas.

 

Diário – Apesar de estar sempre em Franca, sua carreira deslanchou lá fora. Você sente falta de mais espaço aqui na cidade?