Aumenta tensão na fronteira entre Coreias

Presidente sul-coreano cita "alta possibilidade" de confrontos militares com a Coreia do Norte

669

Soldados
O novo presidente da Coreia do Sul, Moon Jae-in, considerou “alta” a possibilidade
de confrontos militares na fronteira com a Coreia do Norte, após o aumento da
tensão na península em consequência das ambições nucleares de Pyongyang.
Moon, que tomou posse na semana passada, alertou que os programas balístico e
nuclear da Coreia do Norte “avançam rapidamente”, poucos dias depois de
Pyongyang testar um míssil com um alcance, ao que parece, sem precedentes.
“Nunca tolerarei as provocações do Norte e suas ameaças nucleares”, afirmou
durante uma visita ao ministério da Defesa, onde pediu às Forças Armadas que
adotem uma “posição defensiva infalível”.
De acordo com o presidente sul-coreano, “existe uma alta possibilidade de
confrontos militares” na fronteira marítima disputada entre os dois países ou ao
longo da fronteira terrestre fortemente militarizada.
Coreia do Norte e Coreia do Sul permanecem, tecnicamente, em guerra porque o
conflito de 1950-53 terminou com um armistício, e não um tratado de paz.
Nas últimas semanas, a tensão aumentou entre Pyongyang e o governo do
presidente americano Donald Trump. Washington afirmou que a opção militar
estava sobre a mesa, enquanto o Norte divulgou ameaças de represálias.
Moon, considerado um político mais à esquerda, é favorável a uma forma de
diálogo com Pyongyang para retornar à mesa de negociações. Mas depois do teste
do míssil no domingo passado, o sul-coreano afirmou que o diálogo seria possível
apenas se “Pyongyang mudar de postura”.
A Coreia do Norte reivindicou o sucesso do teste com o míssil, que segundo o
regime de Pyongyang tem capacidade para transportar uma ogiva nuclear.
Alguns especialistas, no entanto, duvidam da capacidade do Norte para miniaturizar
suas armas nucleares e montá-las em mísseis balísticos. Para eles, não há nada
que prove que Pyongyang domina esta tecnologia.
Quatro pessoas, incluindo dois civis, morreram em novembro de 2010 quando a
Coreia do Norte disparou 170 obuses de artilharia na ilha fronteiriça sul-coreana de
Yeonpyeong. Foi o primeiro ataque norte-coreano contra uma zona civil desde a
Guerra da Coreia e provocou o temor de um conflito generalizado.