Ataque em show para jovens deixa 22 mortos

Polícia identifica homem-bomba responsável pela explosão; Estado Islâmico reivindica autoria

603

Explosao
As autoridades britânicas identificaram nesta terça-feira (23) o homem-bomba responsável pelo ataque da véspera durante um show da cantora pop Ariana Grande em Manchester.
Ele foi identificado como Salman Abedi, 22, afirmou o chefe da política de Manchester, Ian Hopkins. Segundo a rede BBC, Abedi nasceu em Manchester e sua família tem origem líbia. A investigação busca entender agora se Abedi atuava sozinho ou se era parte de uma organização.
Após a identificação do suspeito, um membro da comunidade líbia de Manchester disse ao jornal “The Guardian”: “Salman? estou abismado. Ele era um cara quieto, sempre muito respeitoso comigo. Seu irmão Ismael é extrovertido, mas Salman era quieto. Ele é uma pessoa tão improvável para ter feito isso.”
Também nesta terça-feira, a polícia prendeu na região sul da cidade um homem de 23 anos suspeito de conexão com o atentado, que deixou ao menos 22 mortos e dezenas de feridos após o fim do show na Manchester Arena. Não há brasileiros entre as vítimas, informou o Itamaraty.
Agentes de segurança realizaram uma operação em um apartamento em Manchester e fizeram a explosão controlada de um artefato, informou a polícia.
Um outro homem foi detido no shopping Arndale Centre, em Manchester, mas as autoridades não viram indícios de que ele tenha ligação com o atentado. O local chegou a ser fechado temporariamente nesta terça.

ESTADO ISLÂMICO

A facção terrorista Estado Islâmico reivindicou a autoria da ação em uma mensagem que, no entanto, não apresentou nenhuma evidência de sua participação real. “Um soldado do califado conseguiu colocar explosivos em meio a uma reunião dos cruzados na cidade britânica de Manchester”, disse a milícia.
É possível, como em outros casos no passado, que o autor tenha agido sozinho e agora a facção tente se beneficiar da atenção na mídia, que é uma parte importante de sua estratégia para recrutar militantes.
O diretor de Inteligência dos Estados Unidos, Dan Coats, afirmou que as autoridades do país ainda não verificaram se o Estado Islâmico é responsável pelo ataque.