Justiça derruba mais um rancho em Jaguara

Empresário de Franca teve casa de barco e quiosque derrubados às margens do Rio Grande

766

rancho

Mais uma propriedade foi alvo de ação na Justiça por estar muito próxima à represa da Usina de Jaguara, entre os municípios de Rifaina e Sacramento (MG). A vítima da briga jurídica em torno das ações movidas pelo Ministério Público para a demolição de ranchos foi um conhecido empresário de Franca.

Na semana passada, depois de esgotados todos os recursos, a Justiça de Minas Gerais determinou a derrubada da casa de barco e um quiosque do rancho de propriedade do empresário, que atua no setor de produtos para calçados.

A demolição foi realizada pela mesma empresa de terraplenagem que no mês passado derrubou o primeiro rancho, na mesma represa, de um empresário de Batatais.

A exemplo da decisão anterior, a condenação judicial determina a remoção de toda área construída fora da área permitida, eventuais pesqueiros e tablados e a recomposição da vegetação na área de inundação da represa que deve observar o recuo de cerca de 500 metros.

Como já anunciado além dos dois ranchos já demolidos por ordem do Tribunal de Justiça de Minas Gerais (TJMG), outros dois na mesma área está com os dias contados, pois as ações são do mesmo período.