EUA iniciam instalação de sistema antimíssil

Segundo o governo da Coreia do Sul, o THAAD é resposta às provocações da Coreia do Norte

720

Coreia do norte

Um dia depois de a Coreia do Norte realizar uma nova demonstração de força com exercícios militares, os Estados Unidos começaram nesta quarta-feira (26) a instalar partes de um sistema antimíssil na Coreia do Sul. Segundo o governo de Seul, a instalação estará completa para operação total até o final deste ano.
A instalação do sistema, chamado Thaad, é uma resposta às ameaças do regime do ditador norte-coreano, Kim Jong-un, que nos últimos anos vem desenvolvendo seu programa nuclear e seu arsenal de mísseis balísticos.
Nas últimas semanas, cresceram as tensões na península Coreana, com trocas de acusações e ameaças praticamente diárias entre a Coreia do Norte e os EUA.
Em meio às provocações, os EUA enviaram um porta-aviões e um submarino militar para a região e tem realizado exercícios militares com a Coreia do Sul e o Japão.
A Casa Branca convocou todos os senadores dos EUA para uma reunião nesta quarta-feira com membros do alto escalão do governo para discutir a situação da Coreia do Norte.
A instalação do sistema antimíssil incomoda a Coreia do Norte e também a China, principal aliada de Pyongyang. O porta-voz da chancelaria de Pequim, Geng Shang, disse nesta quarta que o sistema “irá romper o equilíbrio estratégico regional e agravar ainda mais as tensões na península”.
“A China tomará, de maneira firme, as medidas necessárias para defender seus interesses”, completou o porta-voz, sem especificar que medidas seriam essas.
A declaração da chancelaria demonstra um endurecimento de tom da China, que até então vinha pedido que os EUA e a Coreia do Norte contenham sua retórica belicosa para evitar a eclosão de um conflito na região.

China
O Ministério das Relações Exteriores da China cobrou nesta quarta-feira (26) que Estados Unidos e Coreia do Sul encerrem as ações que “agravem as tensões” com a Coreia do Norte e removam o sistema de segurança antimísseis THAAD, que começou a ser instalado no território sul-coreano.
“A China insiste de forma veemente que os Estados Unidos e a Coreia do Sul interrompam as ações que agravem as tensões na região e prejudiquem as estratégias de segurança da China, e cancelem a instalação do sistema THAAD, abandonando o equipamento”, afirmou Geng Shuang, porta-voz do ministério.
Em Berlim, o chanceler Wang Yi reforçou o pedido chinês. “Por um lado, temos que parar as atividades nucleares da Coreia do Norte, que são uma clara violação das resoluções da ONU, mas, por outro, as manobras em grande escala em águas coreanas também devem parar pois igualmente não respeitam as resoluções quanto à questão”, declarou Yi em entrevista ao lado de seu colega alemão Sigmar Gabriel.
“O perigo de que comecem novos conflitos a qualquer momento é grande, por essa razão pedimos a todas as partes que demonstrem sangue frio e evitem qualquer ato que poderá levar a novas provocações”, alertou.