Autoridades rechaçam proposta de vereador

Políticos e lideranças jurídicas consideram discussão absurda e defendem a forma atual

17369

adermis

A notícia sobre a privatização da FDF – Faculdade de Direito de Franca – e Uni-Facef, caiu feito uma bomba. A preocupação é tanta que atinge todas as camadas sociais e intelectuais da cidade. Por conta disso, várias autoridades também se  manifestaram contra a ‘venda’ das autarquias.

O assunto surgiu na Câmara Municipal por parte de um vereador que disse que aconselhou o prefeito Gilson de Souza a adotar o sistema de privatização das duas faculdades.  Indignados, os alunos das faculdades realizaram protesto nesta sexta-feira (7).

Na esteia do assunto, outros nomes como o deputado federal Adérmis Marini se colocaram contra a privatização, o mesmo ocorrendo com o diretor da Faculdade de Direito, Décio Antonio Piola.

Adérmis foi incisivo ao falar da privatização. “Eu estava na Câmara (dos deputados) e a notícia me pegou de surpresa ao saber que Gilson de Souza quer privatizar, vender, as faculdades. Vários deputados me procuraram, inclusive, Paes Landin, lá do Piauí. Essa manifestação dele mostra como nossas faculdades são reconhecidas. Fiquei quatro anos na Câmara como vereador e em nenhum momento as faculdades solicitaram recursos públicos, pelo contrário, nos aprovamos autorização para investimentos. Mas os recursos não saem diretamente do caixa da prefeitura, já que os recursos são capitados pelas próprias universidades”, disse o deputado.

O respeitado professor e diretor da Faculdade de Direito de Franca, Décio Antonio Piola, não quis entrar na discussão alegando que não recebeu nenhuma informação oficial sobre a privatização das faculdades, mas lamentou a sugestão. “Por enquanto estamos em compasso de espera. Não recebemos nenhum documento oficial e também sei que o prefeito (Gilson de Souza) divulgou uma nota dizendo que não tem nenhum projeto nesse sentido. O que posso falar é que na próxima segunda-feira (10) haverá uma reunião do colegiado das faculdades para discutir, tentar entender essa notícia e avaliar os fatos”, disse Piola.

O promotor aposentado Francisco de Lucio Tersi, ex-diretor da Faculdade de Direito de Franca, foi mais incisivo ainda ao falar da privatização. “Essa ideia não tem o menor cabimento. Não sei se a prefeitura está precisando de dinheiro. Sei que vender as faculdades entram recursos, mas a cidade perde o patrimônio. Também tem outra questão. Quem comprar pode levar os cursos para outras cidades de interesse”, disse Tersi.

O ex-diretor da faculdade lembra que a FDF e Centro Uni-Facef despertam interesse de muitos investidores. O curso de direito é renomado e o de medicina chama muito a atenção dos investidores.