Carta-bomba explode na sede do FMI em Paris

O mesmo grupo reivindicou o envio de um pacote explosivo ao Ministério das Finanças da Alemanha

721

Franca
Uma funcionária do FMI (Fundo Monetário Internacional) ficou ferida nas mãos e no rosto nesta quinta-feira (16) depois de abrir uma carta-bomba que explodiu na sede parisiense da entidade, informaram fontes policiais.
Segundo as primeiras informações, várias pessoas foram retiradas das instalações por medida de proteção. A assistente da direção sofreu queimaduras, segundo a polícia.
O grupo anarquista Conspiração das Células de Fogo é o principal suspeito, segundo indicou à AFP uma fonte da polícia grega. O mesmo grupo reivindicou na manhã desta quinta o envio de um pacote explosivo ao Ministério das Finanças da Alemanha, em Berlim, na quarta (15).
De acordo com esta fonte, o vice-ministro grego da Defesa Civil, Nikos Toskas, foi informado pelas autoridades francesas que o pacote enviado ao FMI foi expedido de Atenas, assim como aquele enviado no dia anterior ao Ministério das Finanças da Alemanha.
Outra evidência, fragmentos de selos gregos foram encontrados na carta-bomba do FMI. “Dada as primeiras constatações, a investigação se orienta na direção da pista de um grupo anarco-autônomo”, indicou uma fonte ligada à investigação em Paris.
“Estamos diante de mais um atentado, não há outra palavra frente a uma carta-bomba”, disse o presidente francês, François Hollande.
A diretora-gerente do Fundo Monetário Internacional (FMI), Christine Lagarde, condenou o ato de violência cometido contra a sede da instituição em Paris.
“Fui informada da explosão no escritório do FMI em Paris, que feriu uma de nossas funcionárias. Estou em contato com o escritório e minha solidariedade está com nossos colegas de lá. Condeno este ato de violência covarde e reafirmo a resolução do FMI de continuar seu trabalho para assegurar seu mandato”, concluiu.

ALEMANHA

Na quarta-feira (15), a polícia alemã anunciou a descoberta no Ministério das Finanças, em Berlim, de um pacote que continha uma “mistura explosiva”, frequentemente utilizada para causar ferimentos consideráveis.
O pacote, que foi descoberto no setor de correios do ministério, continha uma mistura geralmente utilizada para a produção de material pirotécnico, segundo indicou a polícia. Também foi encontrado “uma espécie de detonador”.
Os jornais “Bild” e “B.Z” indicaram que o pacote seria endereçado diretamente ao ministro das Finanças, Wolfgang Schäuble. “A mistura poderia ter causado, com a abertura do pacote, ferimentos consideráveis”, segundo a fonte. A polícia evacuou o setor e as imediações para poder proceder à abertura do pacote em segurança.
Em janeiro de 2016, um pacote suspeito, que no fim das contas não representava risco, foi encontrado na sede do governo. E em novembro de 2010, um pacote contendo explosivo, endereçado à chanceler Angela Merkel, foi desarmado fora da Chancelaria.