PF diz que Maia pegou R$ 1 mi em propina da OAS

Investigação na Lava Jato sobre deputado aponta indícios de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro

786

Rodrigo Maia

A Polícia Federal concluiu investigação sobre o presidente da Câmara, deputado Rodrigo Maia (DEM-RJ) na Operação Lava Jato e apontou indícios de corrupção passiva e de lavagem de dinheiro.
A investigação da PF teve origem em mensagens de celular entre Maia e o empreiteiro Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS.
Segundo o inquérito da PF, em troca de propina de R$ 1 milhão, o parlamentar teria defendido interesses da empreiteira no Congresso, entre 2013 e 2014, como apresentar uma emenda à uma Medida Provisória que definia regras para a aviação regional, em benefício da construtora.
A reportagem informou que Rodrigo Maia pediu à empreiteira doações eleitorais no valor de R$ 1 milhão em 2014. O dinheiro teria sido repassado oficialmente à campanha de César Maia, pai do presidente da Câmara.
Os investigadores suspeitam que a estratégia foi usada para ocultar a origem da propina da empreiteira. A PF sustenta que há ‘fortes indícios de corrupção passiva e lavagem de dinheiro’ por parte de Maia.
À reportagem, Maia afirmou que ‘nunca recebeu vantagem indevida para votar qualquer matéria na Câmara’. Segundo ele, ‘ao longo dos cinco mandatos como deputado federal, sempre votou de acordo com orientação da bancada ou com a própria consciência’.

Indícios de propina a Pezão
A Polícia Federal afirmou nesta quinta-feira (9) à Justiça Federal ter encontrado indícios de que o governador do Rio, Luiz Fernando Pezão (PMDB), recebeu propina do esquema do ex-governador Sérgio Cabral (PMDB). Em razão disso, sugere o envio do caso ao STJ (Superior Tribunal de Justiça).
Os indícios são seis bilhetes encontrado na casa de Luiz Carlos Bezerra, ex-assessor de Cabral apontado como operador financeiro da quadrilha, durante a deflagração da Operação Calicute, em novembro. Nele, há referência a “Pezão”.
De acordo com a interpretação dada pela PF, o escrito é uma “possível referência à propina para a Pezão”. Cinco bilhetes referem-se possivelmente ao controle de um pagamento de R$ 140 mil. O sexto indica a transferência de R$ 50 mil.