Alvo fácil

608

 

Ao longo deste ano municípios da região passaram a conviver com mais frequência com as ações de quadrilhas especializadas em roubar caixas eletrônicos. Os bandidos atacam fortemente armados e sempre que algum grupo é preso, novos bandidos parecem surgir em seus lugares.

As quadrilhas costumam ser extremamente organizadas, com divisão de tarefas para cada indivíduo. Isso porque ataque a caixas eletrônicos parece ter se transformado em um grande negócio para os bandidos nos últimos anos. Inicialmente, os alvos preferenciais eram os quiosques instalados geralmente junto a postos de combustíveis e lojas de conveniência em cidades de grande e médio porte.

A sucessão de ataques e o perigo de explosão dos tanques de combustível levou a maioria dos donos de postos a retirar os caixas eletrônicos. Em seguida vieram os ataques a caixas eletrônicos instalados em postos bancários dentro de empresas. Mais uma vez esses caixas foram eliminados ou diminuíram bastante. Houve em seguida uma onda de ataques a caixas de agências bancárias e shoppings, mais protegidos e vigiados, mas, mesmo assim, vulneráveis.

Por fim, os ladrões descobriram um setor praticamente desprotegido: as agências e postos de serviços bancários das pequenas cidades do interior. O volume de dinheiro arrecadado nesses locais pode ser menor do que nos grandes centros, mas a ação tornou-se mais fácil. O efetivo policial nos pequenos municípios, até por conta dos baixos índices de criminalidade desse locais, é normalmente pequeno. São poucos policiais, tanto da Polícia Civil como da Militar e com armamentos muito inferiores aos dos marginais.

Ao chegar às cidades de pequeno porte, as quadrilhas intimidam de imediato os poucos policiais, dando demonstrações da potência de seu armamento. A partir daí, até que cheguem reforços de outra localidade, as cidades ficam nas mãos dos bandidos que explodem os caixas das agências e ainda praticam outros tipos de roubo.

É evidente que as autoridades não podem aumentar indiscriminadamente os efetivos policiais de todas as cidades para conter esse tipo de crime. O caminho, como já foi mencionado neste espaço, é o trabalho paciente de inteligência, de investigação minuciosa, como parece ter ocorrido no desmantelamento dessa quadrilha que agia na região. Só assim diminuirão os roubos aos caixas eletrônicos e os pequenos municípios deixarão de ficar vulneráveis à bandidagem.